8 de jul de 2011

APRENDA UM POUCO MAIS SOBRE O FLAMENCO

É necessário esclarecer que todas as fontes que consultei, a única unanimidade acerca da origem precisa do flamenco é que ninguém sabe a data de seu nascimento. O mais provável é que veio se ‘parindo’ e se formando ao longo de vários anos, resultando da confluência cultural de diferentes povos que formaram o próprio povo espanhol, onde essa arte, tal como a temos nos dias de hoje, é conhecida oficialmente há 163 anos oriunda de Andaluzia. Enquanto outras vozes mais conclusivas não encontram o ‘elo perdido’, sigamos ao que realmente interessa e cativa: a arte flamenco. Espero despertar em vocês a mesma paixão que me acompanha há tantos anos com esta série de textos na qual organizei exclusivamente para as aulas de 'Dança Flamenca' que integram o 'Curso de Capacitação de Cultura e Arte Espanhola' do projeto de pesquisa 'Almodóvar e Kahlo: estéticas constituintes para processos criativos':

 
O QUE É O FLAMENCO? - Texto explicativo sobre as características gerais da arte flamenca, vocábulos e etimologia da palavra.

 

O PÁIS FLAMENCO - Relato geral historico-cultural dos países que atualmente o flamenco se manifesta. (Em espanhol).

 

A HISTÓRIA DO FLAMENCO - Breve relato sobre o surgimento e desenvolvimento da arte flamenca na Espanha.

 

Boa leitura!

COREOGRAFIA OPHÉLIA: VIDEO

Fragmento da Coreografia OPHÉLIA, que foi desenvolvida para a disciplina Composição Coreográfica na Mostra de Dança do Curso de Licenciatura em Dança da UFRN:


5 de jul de 2011

MOSTRA DE DANÇA DEART/UFRN: OPHÉLIA

 
 

O meu primeiro trabalho coreográfico a partir dos estudos de Lia Lobatto que estou afortunadamente tomando contato, através da disciplina de Composição Coreográfica, como discente de Graduação da Licenciatura em Dança da UFRN. Segue descrição do mesmo:
 
‘Ophélia’ é um solo flamenco experimental composto a partir da música "alfonsina y el mar".
 
Para a composição deste solo nos concentramos na fala de Gertrudes (mãe de Hamlet e Rainha da Dinamarca) da Cena VII do IV ato. Nesta cena ela informa a Laertes (irmão de Ofélia) e Claudio (Rei da Dinamarca e tio de Hamlet) a morte de Ofélia que enlouquecera após o assassinato do pai e partida de Hamlet.  A descrição poética da morte da jovem nos pareceu o melhor caminho para retratar o sentimento limítrofe de dor e desalento de uma alma feminina com predisposição ao suicídio que foi tema central escolhido para este trabalho acadêmico. O solo foi contextualizado a partir de uma personagem fictícia. Ophélia: uma jovem virgem completamente desprovida de vontade própria e que ambiciona manter-se na sua zona de conforto social da corte espanhola dos Reis Católicos do século XV. No solo, como na personagem homónima de Shakespeare, ela se encontra na situação limítrofe de um afogamento ao deparar com a completa solidão: ela perdera os pais, noivo e o único irmão.
(...)
O resultado final que desejamos alcançar é uma coreografia de estética e técnica flamenca, contudo desenvolvida a partir de estudo de exploração das possibilidades cinéticas do manuseio da bata de cola".